Economia: Turista de negócios não gosta da Copa do Mundo. Azar dos hotéis

Turista de negócios não gosta da Copa do Mundo. Azar dos hotéis



A Copa do Mundo deve trazer ao Brasil 600 mil turistas entre junho e julho. Mas nem todo o mercado está em festa. Grandes redes de hotéis afirmam que o número de hóspedes de negócios deve diminuir este ano por causa do torneio.

Comparado com um torcedor que acompanha a seleção de futebol do seu país, o turista que viaja a negócios paga tarifas mais altas, fica mais tempo no hotel e movimenta mais serviços da cidade, como restaurantes, intérpretes, motoristas.

Uma das explicações é o fato de que boa parte das empresas concentra verbas de marketing em ações ligadas à Copa do Mundo. Outros fatores que ajudam a explicar o fenômeno, segundo empresários, é a falta de quartos disponíveis nas cidades-sede e o aumento no preço das passagens aéreas.

A redução no movimento de homens de negócios devem ser sentidas em todas as capitais, segundo Rotter. "Talvez só o Rio não passe por isso. A cidade tem uma dinâmica de turismo diferente e já está se preparando para as Olimpíadas."

Fonte: UOL Esporte
Foto: Reprodução
Página anterior Próxima página