Economia: Roupas e alimentos ficam mais caros, e inflação pelo IPC-S acelera

Roupas e alimentos ficam mais caros, e inflação pelo IPC-S acelera



A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) ganhou força da primeira para a segunda semana de setembro, puxada pela alta menor do preço dos alimentos. O indicador acelerou de 0,21% para 0,28%, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Além dos alimentos, cuja variação foi de uma queda de 0,08% para uma alta de 0,18%, também registraram acréscimo em suas taxas de variação os grupos habitação (de 0,32% para 0,43%), vestuário (de -0,09% para 0,13%) e despesas diversas (de 0,18% para 0,24%).

Na contramão, tiveram variação menor educação, leitura e recreação (de 0,12% para -0,16%),
transportes (de 0,24% para 0,20%), comunicação (de 0,42% para 0,34%) e saúde e cuidados pessoais (de 0,68% para 0,64%).

Veja a variação de preços de alguns itens:

Panificados e biscoitos (de 0,78% para 1,49%)
Tarifa de eletricidade residencial (de -0,58% para -0,12%)
Roupas (de -0,18% para 0,17%)
Alimentos para animais domésticos (de 0,76% para 1,89%)
Salas de espetáculo (de 0,56% para -1,66%)
Serviço de reparo em automóvel (de 1,06% para 0,66%)
Mensalidade para TV por assinatura (de 2,33% para 1,92%)
Artigos de higiene e cuidado pessoal (de 1,31% para 0,87%).

Fonte: G1
Foto: Divulgação
Página anterior Próxima página